domingo , julho 23 2017
Capa / Brasil / Maranhão / Travessia a pé dos Lençóis Maranhenses

Travessia a pé dos Lençóis Maranhenses

Muito sol, cansaço, noites mal dormidas. Falando assim parece um pesadelo, mas atravessar os Lençóis Maranhenses a pé é uma aventura enriquecedora. Do sacrifício, ficou a satisfação de ter feito algo extraordinário e de ter visto o deserto na sua forma mais selvagem, bem longe da multidão de turistas que lotam os jipes nos passeios de ida e volta. Essa travessia é a chance de vivenciar o mundo das comunidades de pescadores que moram no interior do parque. Vitimas do isolamento, ostracismo e das demais dificuldades, representam uma historia dura, mas que, por ironia, se passa em um cenário digno de paraíso.

lencois maranhenses - trek (2)

O inicio da caminhada foi por Santo Amaro, a partir da Lagoa da Gaivota.

Dia 1 : SÃO LUIS – SANGUE – SANTO AMARO – QUEIMADA DOS BRITOS / 7h de caminhada e 20 km

Saímos de São Luis as 5:30 ainda de madrugada no serviço de van coletiva que leva até Barreirinhas. No roteiro que escolhi, não precisávamos ir até Barreirinhas. Descemos 200 km depois, em Sangue (3h de viagem), onde a caminhonete da pousada nos esperava. A partir dai, 35km e 1h30 de trilha bem acidentada com algumas partes alagadas. Um verdadeiro rally pra chegar até Santo Amaro.

Chegamos em Santo Amaro por volta de 12:00. O melhor é dormir em Santo Amaro e sair no dia seguinte em direção a Queimada dos Britos, mas como tinhamos pouco tempo decidimos encarar o sol de 14:00 (prefira uma noite em Santo Amaro). Depois do almoço e de descansar um pouco partimos em 4×4 rumo a uma das portas do deserto, 30 minutos pelos Lençois até o limite onde carros são permitidos- a Lagoa da Gaivota.

lencois maranhenses - trek (1)

Não caia na tentação de fazer o trajeto Santo Amaro  – Queimada dos Britos em 4×4. Alguns espertinhos oferecem essa opção, mas a entrada de carros nos Lençóis Maranhenses é proibida por lei e crime ambiental. Se não tem preparo físico, pode tentar fazer de cavalo.A partir da Lagoa da Gaivota, seguimos a pé durante 8h, parando pra tomar banho nas lagoas. Como era época de chuvas, tivemos que cruzar muitas lagoas quase a nado com mochilas na cabeça.

lencois maranhenses - travessia

Como partimos tarde de Santo Amaro, anoiteceu, pra piorar começou a chover, essa parte foi um pouco tensa, mas chegamos vivos até a Queimada dos Paulos, oásis que junto com a Queimada dos Britos concentra as dunas mais bonitas dos Lençóis Maranhenses. As queimadas são consideradas as áreas onde viveram os primeiros habitantes dos Lençóis e até hoje guardam um certo resquício daquela época. Parece que o tempo parou. Chegamos famintos e fomos muito bem acolhidos na casa do Seu Massu. Jantamos uma boa galinha caipira e fomos dormir. Não tem luz elétrica, as casas são de terra batida, feitas de pau a pique com telhado de palha.  A noite é em rede.

Dia 2 : QUEIMADA DOS BRITOS – BAIXA GRANDE / 4h de caminhada e 10 km

Amanhecemos a 20 km de distância do nosso ponto de partida, Santo Amaro.

lencois - queimada dos paulo

Casa do Seu Massu, Queimada dos Paulo

queimada dos paulo

Os moradores do parque não têm o habito de dormir em camas, só em redes. Hora de se adaptar, pode ser um pouco difícil pra quem não esta acostumado, mas o cansaço ajuda no sono.

cabra lencois

Seu Massu dando o café da manhã pra cria, a cabrinha é uma das muitas da região. São companhia constante na caminhada pelo deserto. Vivem soltas, criadas de forma extensiva.  A pesca é a atividade principal dos moradores, quando não caminham até o mar, pescam nas lagoas do lado de casa mesmo.

Acordamos e por volta de 11h saímos em direção à segunda etapa. Foram 3h de caminhada em direção a casa da Rosa, em Baixa Grande. No caminho, barulho somente o do vento e solidão total. De tempos em tempos encontrávamos com algumas cabras. Elas pertencem aos habitantes do parque, mas criadas de forma extensiva. Ficam soltas e se viram pra comer e viver. Uma vez por ano os donos saem em comitiva pra reunir o rebanho.Aqui é o meio dos Lençóis Maranhenses.

cabras lencois

Pra quem tinha caminhado o dia anterior todo essa parte foi fácil, paramos algumas vezes pra tomar banho nas lagoas e logo chegamos em Baixa Grande – infra-estrutura melhor, mas felizmente ainda sem energia elétrica. A noite também é em um redário coletivo. A comida muito boa como sempre, assaram castanha de caju na hora. Sem contar os bolos e doces de murici, buriti e outros tis.

Dia 3 : BAIXA GRANDE – LAGOA BONITA – BARREIRINHAS / 10h de caminhada e 20 km

No ultimo  dia o cansaço bateu, afinal dormir em rede não é minha especialidade. Partíamos pra uma caminhada de 8h até a Lagoa Bonita, já quase na saída dos Lençóis  Maranhenses. Acordamos às 4h da manhã e tomamos o delicioso e farto café da manhã. Sair de madrugada é essencial pra evitar o sol de meio dia na maior parte da caminhada. Em época de cheia, a travessia é assim em alguns pontos : mochila na cabeça e água no pescoço

lencois maranhenses - travessia (2)

No caminho um show de paisagens, as luzes da manhã são as mais favoráveis à fotografia nessa região.

Encontramos um maluco de bicicleta, morador de Queimada dos Britos

Por volta de 11h da manhã o sol estava bem forte e ficou difícil caminhar. Apesar de estar de chinelo, meus pés começaram a queimar e uma temida bolha enorme no dedão apareceu. Fiz as ultimas horas então de meia, o que me ajudou muito.

Paramos bastante pra um refresco nas águas cristalinas. O sol realmente estava muito forte, o que atrasou nossa chegada. Foram 10h de caminhada para começamos a chegar nas áreas turísticas e avistar outras pessoas. Estávamos quase na Lagoa Bonita que como diz o nome é realmente maravilhosa. Ela é a porta principal de entrada no deserto e onde chegam os jipes vindos de Barreirinhas.

lagoa bonita

Quando descemos a ultima duna encontramos o quiosque pra comprar água gelada. Alguns minutos de descanso e reflexão pra finalmente realizar o que tínhamos feito antes de embarcarmos na caminhonete que nos levaria a Barreirinhas. Foram mais 40 minutos de 4×4 no meio da plantação de buritis e aguns sítios até chegar a Pousada do Rio.

Situe-se. Veja o mapa pra entender onde fica cada região citada aqui.
Como fazer  a travessia dos Lençóis  Maranhenses ?

Eu fiz com uma agência e praticamente todas em São Luis são capazes de propor.  Uma boa opção é procurar a associação de condutores de Barreirinhas e ir direto na fonte pra encontrar um guia :  Central das Cooperativas. (98) 349 0000 . Avenida Rodoviária, S/N. Bairro Boa Fé, Barreirinhas/MA.

lencois maranhenses 2

Basta ver se o preço não é abusivo, normalmente a diária do guia custa em torno de R$ 150 e a estadia na casa dos habitantes por volta de R$ 50. Fora isso tem que contar os trajetos em 4×4, normalmente uns R$ 200/R$ 250 por trajeto. Quem quiser mesmo tentar organizar sozinho é só estudar bem o roteiro e pedir ajuda das pousadas. Elas sempre vão indicar o transporte e vão ter o contato de algum guia. Atenção que o guia deve ser experiente, afinal andar nas dunas exige muito senso de direção. Não ha praticamente nenhum referencial.

O que levar ?
  • Um guia local pra não se perder,  de preferência pergunte se ele tem certificação.
  • Mochila leve, você pode despachar a mochila grande no serviço de van. O motorista vai deixa-la na sua pousada em Barreirinhas.
  • Chinelo (o melhor pra fazer a caminhada) ou meias se você tem pés sensíveis. De sapato nem pensar, mesmo os sapatos de caminhada podem queimar o pé.
  • Protetor solar, remédios pessoais, roupa de banho
  • lanche para a trilha
  • agua, mas se acabar os guias sabem como filtrar a agua das lagoas
  • saco para proteção da maquina fotografica, afinal vai ter areia pra todos os lados
  • muito bom senso, você vai dormir na casa de gente humilde e que vive boa parte do tempo no isolamento, tente respeitar os modos locais
Quando fazer ?

O melhor período é de abril a novembro, quando as lagoas estão cheias e o sol do verão não dificulta a caminhada.

Onde dormir ?

Santo Amaro : Pousada Bellas Aguas (Rua Osvaldo Cruz, 35)

(98) 3369-1176 (98) 8145-7512

Onde dormir em Barreirinhas

 

Sobre Nivea Atallah

Jornalista de formação e mochileira por vocação.

55 comentários

  1. Vou para lá no final de setembro… vou reler sua postagem e fazer mais pesquisas com calma para ver se animo fazer essa caminhada!

  2. Sou guia na região! estou aqui para ajudar todos que querem fazer o trekking pelos Lençóis Maranhenses, tel: (98) 9 88979178 ou Watsapp, e – mail fabricio.lencois@outlook.com.

  3. Oi Nivea,

    Adorei o relato! Eu estou planejando ir para o Lençois em breve. Você o que é que recomenda mais? Procurar o guia em São Luis, o direto em Barreirinhas?
    Obrigada!

  4. Olá! Você já tinha o hábito de fazer grandes caminhadas antes dessa viagem? Estou pensando em ir em agosto, mas nunca caminhei mais de 10km no plano, imagina 20 e poucos em areia fofa, sem uma sombra. Essa travessia é em ritmo de passeio, parando sempre em vários pontos?
    Obrigada!

    • Ola Patricia,
      Eu não estava acostumada e consegui. O guia sai de madrugada justamente pra não pegar muito sol. A gente vai caminhando pelas bordas das lagoas e a areia não é tão fofa. É pesada a caminhada, mas dá pra ir.
      Abs
      Nivea

  5. Oi Nivea, me disseram que o trajeto Santo Amaro x Atins vai contra o vento (irei em Maio 2016). É tão forte a ponto de dificultar a caminhada ?

    Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*